OCA VIRTUAL

Just another WordPress.com weblog

Archive for the ‘conto’ Category

blog de volta a ativa

leave a comment »

Queridos amigos e amigas a vida é estranha.Por um longo período de um ano aposentei esse blog de qualquer atualização.Tentei criar dois ou três novos blogs mas esses blogs não vingaram quer por falta de tempo de minha parte e por falta de vontade.Como diz a música do Milton Nascimento são coisas da vida.AGORA ESTOU DE VOLTA

ABRAÇOS

Written by ocavirtual

março 23, 2010 at 4:21 pm

A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O DESENVOLVIMENTO DO MUNDO URBANO

leave a comment »

A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O DESENVOLVIMENTO DO MUNDO URBANO

A Inglaterra foi o berço da Revolução Industrial e das cidades com atividades industriais.De norte a sul do país surgiram indústrias movidas pela máquina a vapor, usando o carvão como fonte de energia.Essas unidades fabris foram instaladas próximas as grandes jazidas carboníferas inglesas.Os pequenos povoados começaram a receber milhares de pessoas que deixavam o campo em busca de trabalho nas fábricas, processo esse denominado de êxodo rural. A Revolução Industrial, iniciada a mais de 250 anos, estendeu-se por todo o mundo e foi o divisor de águas entre o mundo rural e o mundo urbano que conhecemos hoje.Até então, o campo determinava o modo de produzir, o modo de vida e as relações entre os homens, a cultura, a política e a sociedade.

A Revolução industrial redirecionou as funções do campo e da cidade com uma força avassaladora.A crescente população urbana pressionou o campo para o aumento da produção de alimentos e de matérias-primas, que seriam utilizadas nas nascentes fábricas, de lá e tecidos. O campo, portanto, começa a ser regulado pelas necessidades das zonas urbanas, por suas atividades industriais e comerciais, caracterizando novas relações espaciais.A zona rural passa a ser produtora de matéria prima, e as cidades desenvolvem atividades secundárias (indústria) e terciárias (comércio e serviços em geral).Essas novas relações acabam por transformar as relações culturais, sociais até então existentes no campo.

Implanta-se a partir daí uma nova forma de organização da produção: algumas fabricavam certos produtos que eram consumidos por terceiros que, por sua vez, também produziam outros bens, que também seriam consumidos por outras parcelas da população.Desenvolve-se e se difunde a partir desse período a idéia de mercado, a produção voltada para um mercado consumidor específico e a divisão social do trabalho.As cidades passam a acumular riquezas, e o capital passou a ser investido no próprio negócio para gerar ainda mais lucros.Uma burguesia nacional se fortalece sob a indústria e detém grande parte das riquezas nacionais, passando a controlar grande parte dos recursos advindos das zonas urbanas marcadas pela presença das fábricas.

Na Inglaterra no século 19.,Além da capital Londres,uma das primeiras cidades globais,muitas outras cidades se desenvolveram tendo como base o processo de industrialização,surgindo principalmente nas proximidades de áreas carboníferas como Liverpool (cidade dos beatles,heheeheheh),Bristol,New Castle,Manchester,etc. Na virada do século 20,o modo de vida urbano era predominante na Europa e já se alastrava pelo mundo em especial na costa Americana (onde os EUA são banhados pelo oceano atlântico).Nesse período Londres e NY já eram consideradas grandes cidades pelo número de habitantes e por sua infra-estrutura urbana.

raimundo

leave a comment »

Raimundo,

Tem muita coisa errada nesse mundo,

Raimundo,

O chão que agente pisa é uma metáfora

A vida que agente tem é uma piada,

O samba que agente toca é gargalhada

E vamos lá

Loucos varridos a cantar

– Raimundos

Written by ocavirtual

julho 12, 2008 at 6:46 pm

Estudo

leave a comment »

Estudo

Deus que me perdoe,

Mas a cada dia

Acho mais interessante,

A dialética marxista.

A dor no calcanhar

A inércia contente,

O burguês Aquiles doente,

Que de sapatos brancos vai morrer.

Written by ocavirtual

julho 12, 2008 at 6:45 pm

ARTE E LIBERDADE

leave a comment »

ARTE E LIBERDADE

A arte apresenta-se como espelho da liberdade, construtora de discursos, produto de diferentes sociedades e da imaginação humana.Luta-se pela verdade artística, não no sentido estético de tal ou qual escola, mas no sentido mais amplo da fidelidade do artista com seu eu interior.Sem isso a Arte não tem consistência, é como cerâmica inacabada.A arte não deve ser moldada de acordo com propósitos políticos de estado, governo ou partidos, cabe ao artista individualmente enquanto sujeito social optar por posturas mais ou menos críticas, seja em relação às formas, estéticas artísticas seja no terreno dos embates sociais.

Liberdade para a arte, liberdade para todos os homens.Até hoje, porém, nenhuma cultura, nenhuma sociedade foi capaz de universalizar o dito saber artístico e todos os seus códigos ao conjunto de toda a população, resguardando o conhecimento mais avançado das culturas a membros das elites.Na Grécia, por exemplo, uma pequena elite dedicava-se as artes plásticas, a filosofia e ao teatro enquanto a grande maioria da população era composta por escravos que trabalhavam exaustivamente.Na Idade Média a arte e quase todo os conhecimentos estavam na mão da igreja católica e de uma pequena nobreza feudal.

No capitalismo a arte como quase tudo, torna-se uma mercadoria, limitando a liberdade do fazer artístico a certos patrões decorativos comerciais.A arte se massifica, como bem de consumo, contudo, associa-se qualidade artística a preço fazendo com que a arte torne-se um luxo desfrutado apenas de forma mais completa pela elite burguesa.

Precisamos, pois, como tarefa de nosso tempo, universalizar o fazer e os conhecimentos artísticos ao conjunto de toda a população, libertando, trazendo luz, sempre mais luz na busca da amálgama das culturas do homem.A arte pode ser um brilhante discurso educacional, formador de sujeitos mais críticos, capazes de emitir suas próprias opiniões e juízos de valor perante a sociedade e a vida.A arte existe, o Homem existe, por que não sonhar e lutar por uma arte totalmente revolucionária e independente.Será que alguns desses caminhos passam pelas salas de aula?

Written by ocavirtual

julho 9, 2008 at 3:49 pm

POEMAS BY FRANCO VERMELHO

leave a comment »

VOCÊ SAI DANÇANDO

PELAS RUAS DE UM BAIRRO

MUÇULMANO DO PARAGUAI?

VOCÊ ACREDITA

NO DESTINO DE UM ELEFANTE?

PARABÉNS VOCÊ É HUMANO………..

Written by ocavirtual

junho 29, 2008 at 12:18 am

as origens da OCA

leave a comment »

OCA é por assim dizer uma criação juvenil, até pueril dos meus 16 anos que compartilhei com alguns amigos não menos malucos. Como um bom clichê americano , posso dizer que “o sonho não acabou”, continua vivo, nas trincheiras, nas poesias, matando um leão por dia, e ainda por cima lutando contra a matança de animais para fazer casaquinhos de pele para senhoras de fina estampa………….
A OCA real,Organização Cultural Anarquista, morreu, está enterrada sobre quilômetros e mais quilômetros de pó e entulhos em algum lugar de minha casa. Mas hoje ela ganha uma sobrevida,uma vida virtual, com o perdão da metáfora grosseira,o corpo morre,mas permanece a alma.
Em tempos como os nossos, tempos de guerra, sonhar,pensar,agir gira infelizmente pela cotação do preço do ferro na bolsa de NY. É preciso lutar, em todos os lugares, de todas as maneiras para construir um mundo melhor, não no terreno do vago e da utopia mas sim no reino da realidade pintando-a com um pouco das corres dos sonhos.
É por isso que existe a OCA, existe para existir e existindo vai se transformando em algo que não podemos e nem devemos querer saber pra onde vem. Sem a OCA o mundo muda, com a OCA também. E olha que aqui o tempo dos índios, batatas e humanitismos parece ter passado………
Esse é apenas um editorial de abertura, a chave,a rapadura vem depois. Espero que o preço da carne não aumente, não posso perder meus dentes comendo carne dura. Do sempre réptil, camaleão, parlapatão
Tulipano do Laranjal

Written by ocavirtual

junho 28, 2008 at 11:47 pm